segunda-feira, 30 de maio de 2011

Gênesis 25.1-34


Descendentes de Abraão e Quetura (Gn 25.1-6)

1Cr 1.32-33

Segundo esta genealogia, Abraão é o antepassado de várias tribos árabes, incluindo os midianitas. Mesmo que seja difícil identificar alguns destes nomes, trata-se, sem dúvida, de grupos dispersos pelas regiões desérticas situadas a leste de Canaã e mais ao sul, nos limites com a Arábia.

1 Desposou Abraão outra mulher; chamava-se Quetura.

קטורה Q@tuwrah 
Quetura = “incenso"

Esposa de Abraão depois da morte de Sara
Ela é chamada de concubina em 1Cr 1.32. 25.6

2 Ela lhe deu à luz a Zinrã, Jocsã, Medã, Midiã, Isbaque e Suá.

3 Jocsã gerou a Seba e a Dedã; os filhos de Dedã foram: Assurim, Letusim e Leumim.

4 Os filhos de Midiã foram: Efá, Efer, Enoque, Abida e Elda. Todos estes foram filhos de Quetura.

Os filhos de Midiã ou midianitas são mencionados várias vezes no AT (Êx 2.16; 3.1; 18.1; Jz 6-8; Sl 83.9; Is 9.4).

5 Abraão deu tudo o que possuía a Isaque.

6 Porém, aos filhos das concubinas que tinha, deu ele presentes e, ainda em vida, os separou de seu filho Isaque, enviando-os para a terra oriental.

A terra oriental: Isto é, os desertos da Síria e da Arábia, situados a leste e sudeste da Palestina (Jz 6.3).

A morte de Abraão (Gn 25.7-11)

7 Foram os dias da vida de Abraão cento e setenta e cinco anos.

8 Expirou Abraão; morreu em ditosa velhice, avançado em anos; e foi reunido ao seu povo.

E foi reunido ao seu povo: Esta expressão idiomática do hebraico, frequente no AT, refere-se, provavelmente, ao costume de sepultar os mortos no sepulcro da família, junto aos outros membros da família já falecidos (Gn 23.4).

9 Sepultaram-no Isaque e Ismael, seus filhos, na caverna de Macpela, no campo de Efrom, filho de Zoar, o heteu, fronteiro a Manre,
10 o campo que Abraão comprara aos filhos de Hete. Ali foi sepultado Abraão e Sara, sua mulher.

caverna de Macpela (Gn 23.3-16, 19).

11 Depois da morte de Abraão, Deus abençoou a Isaque, seu filho; Isaque habitava junto a Beer-Laai-Roi.

“Poço Daquele que Vive e Me Vê” (Gn 16.14).

Descendentes de Ismael (Gn 25.12-18)

12 São estas as gerações de Ismael, filho de Abraão, que Agar, egípcia, serva de Sara, lhe deu à luz.

13 E estes, os filhos de Ismael, pelos seus nomes, segundo o seu nascimento: o primogênito de Ismael foi Nebaiote; depois, Quedar, Abdeel, Mibsão,

14 Misma, Dumá, Massá,

15 Hadade, Tema, Jetur, Nafis e Quedemá.

16 São estes os filhos de Ismael, e estes, os seus nomes pelas suas vilas e pelos seus acampamentos: doze príncipes de seus povos.

Os filhos de Ismael… doze: Gn 22.20-24.

17 E os anos da vida de Ismael foram cento e trinta e sete; e morreu e foi reunido ao seu povo.

18 Habitaram desde Havilá até Sur, que olha para o Egito, como quem vai para a Assíria. Ele se estabeleceu fronteiro a todos os seus irmãos.

Assíria: Pelo contexto geográfico, não se trata aqui do Império Assírio e sim da região habitada pelos filhos de Assurim mencionados no v. 3. Gn 25.1-6.
Os descendentes de Ismael moravam na região localizada ao norte da Árabia.

Ele se estabeleceu fronteiro a todos os seus irmãos: Outra tradução possível: E morreu na presença de todos os seus irmãos; ou ainda: Estabeleceram-se apesar da oposição dos seus irmãos e vivam separados. Gn 16.12.

Descendentes de Isaque (Gn 25.19-26)

19 São estas as gerações de Isaque, filho de Abraão. Abraão gerou a Isaque;

20 era Isaque de quarenta anos, quando tomou por esposa a Rebeca, filha de Betuel, o arameu de Padã-Arã, e irmã de Labão, o arameu.

Rebeca, filha de Betuel e irmã de Labão Gn 24.15,29-30. 

Padã-Arã: Este nome significa caminho ou campo de Arã e designa, provavelmente, um lugar específico dentro da região chamada Aram-naharaim ou Mesopotâmia. Sl 60.

arameus 
Naturais de Aram, isto é, da Mesopotâmia (Ver Gn 24.10, n.). Mesopotâmia Aqui, este nome traduz Padã-Aram, que, em hebraico, quer dizer “campo (ou caminho) de Harã”.

21 Isaque orou ao SENHOR por sua mulher, porque ela era estéril; e o SENHOR lhe ouviu as orações, e Rebeca, sua mulher, concebeu.

O tema da esterilidade da mulher ocupa um lugar muito destacado na história dos patriarcas hebreus (Gn 16.1-6; 30.1).
A referência a esse tema põe em evidência a intervenção especial de Deus no nascimento de algumas pessoas chamadas a desempenhar um papel relevante na história da salvação. 
O nascimento delas responde a um desígnio particular de Deus (Sl 113.9, Lc 1.25).

o SENHOR Gn 2.4b.

22 Os filhos lutavam no ventre dela; então, disse: Se é assim, por que vivo eu? E consultou ao SENHOR.

A luta dos irmãos dentro do ventre da mãe prenuncia a rivalidade e os numerosos conflitos entre Jacó e Esaú (Gn 27.41-45).

Se é assim, por que vivo eu?: Outra tradução possível: Por que me acontece isso?
Os 12.3. foi perguntar a Deus.

Estas consultas ao Senhor aconteciam, em geral, em algum santuário ou lugar de culto e adoração.

23 Respondeu-lhe o SENHOR: Duas nações há no teu ventre, dois povos, nascidos de ti, se dividirão: um povo será mais forte que o outro, e o mais velho servirá ao mais moço.

Esaú e Jacó são apresentados aqui não apenas como indivíduos, mas também como antepassados de dois povos (Edom e Israel, respectivamente), cujas relações foram nada amistosas (Ob 1.10).

O mais velho servirá (será dominado) pelo mais moço (Rm 9.10-13).

24 Cumpridos os dias para que desse à luz, eis que se achavam gêmeos no seu ventre.

25 Saiu o primeiro, ruivo, todo revestido de pêlo; por isso, lhe chamaram Esaú.

"pelo"
A palavra “Seir” em hebraico, é bem parecida com a palavra hebraica que quer dizer “peludo”, que é outro nome de Esaú (Gn 36.8).

"Esaú" 
Parece que este nome tem algo a ver com Seir, lugar onde, mais tarde, os descendentes de Esaú viriam a morar (Gn 36.9). 

26 Depois, nasceu o irmão; segurava com a mão o calcanhar de Esaú; por isso, lhe chamaram Jacó. Era Isaque de sessenta anos, quando Rebeca lhos deu à luz.

"Jacó" 
Em hebraico, o nome Jacó é bem parecido com a palavra hebraica que quer dizer “calcanhar” (Gn 27.36), onde, também por causa da pronúncia semelhante, o nome é relacionado com o verbo hebraico que significa enganar.

"sessenta anos" 
Vinte anos depois de ter casado com Rebeca (v. 20).

Esaú vende o seu direito de primogenitura (Gn 25.27-34)

27 Cresceram os meninos. Esaú saiu perito caçador, homem do campo; Jacó, porém, homem pacato, habitava em tendas.
28 Isaque amava a Esaú, porque se saboreava de sua caça; Rebeca, porém, amava a Jacó.

Aqui se contrapõem duas formas de vida: a do caçador, por um lado, e a do agricultor ou pastor, por outro.

29 Tinha Jacó feito um cozinhado, quando, esmorecido, veio do campo Esaú

30 e lhe disse: Peço-te que me deixes comer um pouco desse cozinhado vermelho, pois estou esmorecido. Daí chamar-se Edom.

"Edom"
O texto hebraico faz um jogo de palavras entre o nome de Edom e a palavra que significa vermelho (v. 25).

31 Disse Jacó: Vende-me primeiro o teu direito de primogenitura.

O teu direito de primogenitura: O primogênito ou filho mais velho tinha vários privilégios e responsabilidades que o colocavam acima dos demais irmãos. Em particular, cabia a ele a primazia depois do pai, seria o futuro chefe da família na ausência do pai e também receberia uma porção dupla da herança familiar (Dt 21.17).

32 Ele respondeu: Estou a ponto de morrer; de que me aproveitará o direito de primogenitura?

33 Então, disse Jacó: Jura-me primeiro. Ele jurou e vendeu o seu direito de primogenitura a Jacó.

O juramento é a garantia de que Esaú renuncia ao seu direito de forma irrevogável.

34 Deu, pois, Jacó a Esaú pão e o cozinhado de lentilhas; ele comeu e bebeu, levantou-se e saiu. Assim, desprezou Esaú o seu direito de primogenitura.

Hb 12.16-17



Bibliografia

Notas JLS
Bíblia Estudo NTLH
Strong’s Notes

Bíblia de Estudo Almeida

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estude conosco o Evangelho de Marcos

Começamos hoje (05/05/2019) Participe conosco desse maravilhoso estudo! Contato: jlseni@me.com Whats: +31 6 1665 8910 Jor...