domingo, 17 de julho de 2011

Gênesis 41


JOSÉ INTERPRETA OS SONHOS DE FARAÓ

1 Passados dois anos inteiros, Faraó sonhou que estava em pé junto ao rio Nilo;

"Passados dois anos inteiros"

Dois anos inteiros esquecidos pelo copeiro, mas não por Deus.
Dois anos inteiros na prisão do homem, mas na liberdade em Deus.
Dois anos inteiros de prova, mas chegou a aprovação.

Deus não se esquece, simplesmente usa a situação e o tempo para preparar-nos para o que virá.

O SONHO DE FARAÓ

2 e eis que subiam do rio sete vacas, formosas à vista e gordas de carne, e pastavam no carriçal.
3 Após elas subiam do rio outras sete vacas, feias à vista e magras de carne; e paravam junto às outras vacas à beira do Nilo.
4 E as vacas feias à vista e magras de carne devoravam as sete formosas à vista e gordas. Então Faraó acordou.
5 Depois dormiu e tornou a sonhar; e eis que brotavam dum mesmo pé sete espigas cheias e boas.
6 Após elas brotavam sete espigas miúdas e queimadas do vento oriental;
7 e as espigas miúdas devoravam as sete espigas grandes e cheias. Então Faraó acordou, e eis que era um sonho.

8 Pela manhã o seu espírito estava perturbado; pelo que mandou chamar todos os adivinhadores do Egito, e todos os seus sábios; e Faraó contou-lhes os seus sonhos, mas não havia quem lhos interpretasse.

Uma geração cheia de adivinhadores, mas sem interpretes de sonhos.

Pense por um momento na diferença entre adivinhar e interpretar.

O COPEIRO INDICA O INTERPRETE

9 Então falou o copeiro-mor a Faraó, dizendo: Das minhas faltas me lembro hoje:
10 Faraó estava muito indignado contra os seus servos, e entregou-me à prisão na casa do capitão da guarda, a mim e ao padeiro-mor.
11 Então tivemos um sonho na mesma noite, eu e ele; sonhamos, cada um conforme a interpretação do seu sonho.
12 Ora, estava ali conosco um mancebo hebreu, servo do capitão da guarda, ao qual contamos os nossos sonhos, e ele no-los interpretou, a cada um conforme o seu sonho.
13 E conforme a sua interpretação, assim mesmo aconteceu: eu fui restituído ao meu cargo, e ele foi enforcado.

O único interprete em todo Egito, estava preso.
Não foram os adivinhadores que indicaram a solução, mas alguém que já tinha sido beneficiado pela correta interpretação.

JOSÉ DIANTE DE FARAÓ

14 Então mandou Faraó chamar a José, e o fizeram sair apressadamente da masmorra; ele se barbeou, mudou de traje e apresentou-se a Faraó.

José saiu da masmorra, dois anos depois.

"ele se barbeou" גלח galach = tosquiar, barbear, raspar, ser careca.
Segundo os costumes egipcios.

15 E Faraó disse a José: Tive um sonho, e não há quem o interprete; de ti, porém, ouvi dizer que ouvindo contar um sonho, podes interpretá-lo.

16 Respondeu-lhe José: Isso não está em mim; Deus é que dará uma resposta de paz a Faraó.

"não está em mim"

O reconhecimento que tudo vem de Deus, e que somos somente instrumentos em Suas mãos.
Sem Ele não podemos fazer nada, conforme o Senhor Jesus disse.

João 15:5
Eu sou a videira, vós, as varas; quem está em mim, e eu nele, este dá muito fruto, porque sem mim nada podereis fazer.

"Deus" אלהימּ 'elohiym.

Diante de um rei egípcio com muitos deuses, poderes e adivinhadores; encontra-se um homem hebreu dizendo-lhe que somente o Deus de Israel tem a resposta.

CONTANDO O SONHO AO INTERPRETE

Desde sua juventude, José recebia sonhos de Deus com interpretações que ainda não tinham se cumprido.

Antes de ver cumprindo-se os sonhos que Deus lhe deu, ele tinha que interpretar os sonhos de um homem que não conhecia seu Deus.
Quantas vezes acontece assim para os chamados de Deus?

17 Então disse Faraó a José: Em meu sonho estava eu em pé à beira do Nilo;
18 e eis que subiam do rio sete vacas gordas de carne e formosas à vista, e pastavam no carriçal.
19 Após elas subiam outras sete vacas, fracas, muito feias à vista e magras de carne, tão feias quais nunca vi em toda a terra do Egito.
20 E as vacas magras e feias devoravam as primeiras sete vacas gordas;
21 e depois de as terem consumido, não se podia reconhecer que as houvessem consumido; porque o seu aspecto ainda era tão feio como no princípio. Então acordei.
22 Depois vi em meu sonho, e eis que de uma só cana subiam sete espigas cheias e boas.
23 Após elas brotavam sete espigas murchas, miúdas e queimadas do vento oriental;
24 e as espigas miúdas devoravam as sete espigas boas. Ora, contei isto aos magos, mas não houve quem mo interpretasse.

A INTERPRETAÇÃO

25 Então lhe disse José: O sonho de Faraó é um só; o que Deus há de fazer, mostrou-o a Faraó.

Muito antes, Deus mostrou para José o que iria fazer - uma parte do sonho.
Agora mostra para Faraó o que há de fazer - outra parte do sonho.

Os sonhos de Deus são repartidos entre pessoas que Ele chama para funções específicas em tempos específicos.
Deus chamou a José (um crente no Deus אלהימּ 'elohiym) e Faraó (um não crente no Deus אלהימּ 'elohiym) através de Seus sonhos, para funções específicas em um tempo específico.

Entendo que quando Deus chama uma pessoa, em algum lugar Ele está chamando outra para que cada uma seja parte da realização de Seus sonhos (propósitos, projetos, vontade).

Ele chamou Zacarias e Isabel para gerar parte de Seu grande sonho - João Batista (o que prepararia o caminho do Senhor.
Ele chamou a José e Maria para gerar a parte principal de Seu grande sonho - Jesus (o Salvador do mundo).
No tempo de Deus, Isabel e Maria se encontraram.
No tempo de Deus, Saulo encontrou a Barnabé.
No tempo de Deus, Paulo encontrou a Timóteo.
No tempo de Deus, José e Faraó se encontraram.
No tempo de Deus, você se encontrará com a pessoa que tem a outra parte do projeto.

Aprendo com isso, que Deus não tem "protagonistas"; não tem um homem, mas uma equipe.

26 As sete vacas boas são sete anos; as sete espigas boas também são sete anos; o sonho e um só.
27 De igual modo as sete vacas magras e feias, que subiam depois delas, são sete anos, bem como o são as sete espigas miúdas e queimadas do vento oriental; serão eles sete anos de fome.

28 É isto o que eu disse a Faraó; o que Deus há de fazer, mostrou-o a Faraó.
29 Eis que vêm sete anos de grande fartura em toda a terra do Egito;
30 a estes seguirão sete anos de fome, e toda aquela fartura será esquecida na terra do Egito e a fome consumirá a terra;
31 e não será conhecida a abundância na terra, por causa daquela fome que seguirá; porquanto será gravíssima.
32 Ora, se o sonho foi duplicado a Faraó, é porque esta coisa é determinada por Deus, e ele brevemente a fará.
33 Portanto, proveja-se agora Faraó de um homem entendido e sábio, e o ponha sobre a terra do Egito.
34 Faça isto Faraó: nomeie administradores sobre a terra, que tomem a quinta parte dos produtos da terra do Egito nos sete anos de fartura;
35 e ajuntem eles todo o mantimento destes bons anos que vêm, e amontoem trigo debaixo da mão de Faraó, para mantimento nas cidades e o guardem;
36 assim será o mantimento para provimento da terra, para os sete anos de fome, que haverá na terra do Egito; para que a terra não pereça de fome.
37 Esse parecer foi bom aos olhos de Faraó, e aos olhos de todos os seus servos.

FARAÓ PÕE JOSÉ COMO GOVERNADOR DO EGITO

38 Perguntou, pois, Faraó a seus servos: Poderíamos achar um homem como este, em quem haja o espírito de Deus?
39 Depois disse Faraó a José: Porquanto Deus te fez saber tudo isto, ninguém há tão entendido e sábio como tu.

40 Tu estarás sobre a minha casa, e por tua voz se governará todo o meu povo; somente no trono eu serei maior que tu.
41 Disse mais Faraó a José: Vê, eu te hei posto sobre toda a terra do Egito.

Primeiro tinha estado nessa posição na casa de Potifar, veio a calunia e a prisão.
Agora José alcança a mesma posição, mas na casa de Faraó (o chefe de Potifar).

42 E Faraó tirou da mão o seu anel-sinete e pô-lo na mão de José, vestiu-o de traje de linho fino, e lhe pôs ao pescoço um colar de ouro.

"anel de sinete" = símbolo de autoridade.
Sinete = Instrumento que serve para imprimir no lacre um brasão, divisa ou iniciais.

"vestidos de linho fino" = símbolo de cobertura, honra, dignidade.

"colar de ouro" = símbolo de ornamento, adorno.

43 Ademais, fê-lo subir ao seu segundo carro, e clamavam diante dele: Ajoelhai-vos. Assim Faraó o constituiu sobre toda a terra do Egito.
44 Ainda disse Faraó a José: Eu sou Faraó; sem ti, pois, ninguém levantará a mão ou o pé em toda a terra do Egito.

Exemplo de Mardoqueu (ou Mordecai) = Derivação estrangeira. "Homem pequeno" ou "adorador de Marte".

Foi primo e pai adotivo da rainha Ester; filho de Jair, da tribo de Benjamim; por providência divina, foi o libertador dos filhos de Israel da destruição planejada por Hamã, o principal ministro de Assuero; instituidor da festa do Purim. Um judeu que retornou do exílio com Zorobabel.

A missão de Mardoqueu era preparar sua filha adotiva com rainha.

Ester 6:1-12
Ester 10:1-3 

Assim como José no Egito, Mardoqueu foi o segundo no reino do rei Assuero.

CHEGOU O TEMPO DA HONRA

45 Faraó chamou a José Zafnate-Paneã, e deu-lhe por mulher Asenate, filha de Potífera, sacerdote de Om. Depois saiu José por toda a terra do Egito.

"Zafnate-Paneã"
פענח Tsophnath Pa`neach pah- nay '- akh de origem egípcia.
Zefanate-Panéia = "tesouro do repouso glorioso".

"Asenate"
אסנת 'Ac@nath de derivação egípcia.
Asenate = "pertencente a deusa Nate".

"Potífera"
פוטיפרע Powtiy Phera `de origem egípcia.
Potífera = "aquele que Rá deu".
Um egípcio, sacerdote de Om, pai de Asenate que foi a esposa que Faraó deu a José.

"Om"
אונּ 'Own ou (forma contrata) אנּ' On de derivação egípcia.
Om = "força ou vigor".
Cidade no baixo Egíto, terra fronteira de Gósen, centro de adoração ao sol, residência de Potífera (sacerdote de Om e sogro de José).

"Depois saiu José por toda a terra do Egito"

Com todas as honras e para ser conhecido e respeito por todos.

46 Ora, José era da idade de trinta anos, quando se apresentou a Faraó, rei do Egito. E saiu José da presença de Faraó e passou por toda a terra do Egito.

Chegou como escravo e agora é o segundo homem mais importante da terra em seu tempo.

TEMPO DA ABUNDÂNCIA

47 Durante os sete anos de fartura a terra produziu a mancheias;
48 e José ajuntou todo o mantimento dos sete anos, que houve na terra do Egito, e o guardou nas cidades; o mantimento do campo que estava ao redor de cada cidade, guardou-o dentro da mesma.
49 Assim José ajuntou muitíssimo trigo, como a areia do mar, até que cessou de contar; porque não se podia mais contá-lo.

O que fazemos quando temos com abundância?
Como administramos os bens e recursos que o Senhor coloca em nossas mãos?
Como nos comportamos nos tempos de abundância?

José nos ensina que foi um ótimo e sábio administrador em tempos de abundância - Ajuntou e guardou.

FILHOS DE JOSÉ

50 Antes que viesse o ano da fome, nasceram a José dois filhos, que lhe deu Asenate, filha de Potífera, sacerdote de Om.

Ainda no tempo da abundância, José é agraciado por Deus com 2 filhos.

51 E chamou José ao primogênito Manassés; porque disse: Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho, e de toda a casa de meu pai.
52 Ao segundo chamou Efraim; porque disse: Deus me fez crescer na terra da minha aflição.

"José"
יוספּ Yowceph, grego Ιωσηφ = "Javé adicionou".

"Manassés"
מנשׂה M@nashsheh = "levando a esquecer"
O filho mais velho de José e progenitor da tribo de Manassés.

"Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho, e de toda a casa de meu pai".

"Efraim"
אפרימּ 'Ephrayim, grego Εφραιμ = "duplo monte de cinzas: Eu serei duplamente frutífero".
Segundo filho de José, abençoado por ele e tendo preferência sobre o primogênito Manassés.
A tribo, Efraim.
O território montanhoso de Efraim.

"Deus me fez crescer na terra da minha aflição".

Com o nascimento dos filhos e o significado dos nomes, foi com certeza um momento marcante na vida de José - um antes e um depois.

Com Manassés, Deus o fez esquecer do meu passado.
Com Efraim, Deus o fez crescer, avançar com firmeza para seu futuro.

Lembro-me das palavras de Paulo.

Filipenses 3:13, 14
13 Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo- me das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de mim,
14 prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.

Deus sempre tem um momento ou vários momentos em nossas vidas, para gerar um Manassés e um Efraim através de nós.

TEMPO DE ESCASSEZ

53 Acabaram-se, então, os sete anos de fartura que houve na terra do Egito;
54 e começaram a vir os sete anos de fome, como José tinha dito; e havia fome em todas as terras; porém, em toda a terra do Egito havia pão.

"havia fome em todas as terras; porém, em toda a terra do Egito havia pão".

O Egito se preparou para esse tempo e tinha pão com abundância, pois tinha um homem de Deus com a interpretação dos tempos e sabedoria para administrar.

A formiga trabalha no verão para ter comida no inverno.
As virgens prudentes compraram enquanto podiam, azeite para suas lâmpadas.

Os tempos de abundância, nos ensina a não esbanjar, mas ajuntar e guardar para que quando venha tempos difíceis, tenhamos pão.

55 Depois toda a terra do Egito teve fome, e o povo clamou a Faraó por pão; e Faraó disse a todos os egípcios: Ide a José; o que ele vos disser, fazei.

O homem mais importante do mundo, no tempo mais difícil que a humanidade passava; disse: "Ide a José; o que ele vos disser, fazei".

56 De modo que, havendo fome sobre toda a terra, abriu José todos os depósitos, e vendia aos egípcios; porque a fome prevaleceu na terra do Egito.
57 Também de todas as terras vinham ao Egito, para comprarem de José; porquanto a fome prevaleceu em todas as terras.

No tempo da escasez, há dois tipos de pessoas: O que tem o pão e o que precisa do pão. Qual você deseja ser?

Se for o que precisa de pão, significa que você não soube administrar quando tinha com abundância, que não tinha Palavra de Deus ou se tinha não interpretou corretamente.

Se for o que tem o pão, significa que você soube administrar quando tinha com abundância, que tinha e sobre interpretar a Palavra que recebeu de Deus.

Volta e resolva as coisas

Escute essa mensagem clicando AQUI