quarta-feira, 10 de agosto de 2011

O Precioso da Unidade


“Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união! Salmos 133:1”

Bom em hebraico é “tob” e significa todas essas palavras: Aceito, acertado, agradável, alegre, benigno, bem estar, bem aventurado, feliz, fértil, formoso, melhor, prazer, prosperidade, transbordar, suave e tesouro.

Quantas expressões de coisas boas representa a unidade entre os irmãos!

Precisamos valorizar o que é precioso entre nós como família de Deus.
Os valores não podem serem invertidos. Ainda é prioridade para a igreja de Cristo no século 21 a unidade.

A unidade é boa e aceita pelos corações saudáveis. Um cristão verdadeiro aceita a unidade como algo natural e rejeita qualquer atitude ou intenção que vai em contra dessa aceitação.

A unidade é acertada. Ela acerta o “alvo”, o propósito da igreja que é estar unida no Senhor e uns com os outros. Erramos o alvo quando permitimos ou promovemos desunião entre os irmãos e isso pode acontecer através de comentários indevidos.

A unidade é agradável. Como agrada o coração de uma pessoa nova, chegar em um ambiente onde a atmosfera é de união. Se agrada o coração das pessoas, imagine o de Deus.   

A unidade é alegre. Onde há unidade existe alegria, as pessoas são livres, soltas e alegres. É bom demais e se sente no ar.

A unidade é benigna. Que terrível é quando uma pessoa descobre algo maligno no corpo. As coisas malignas não provem de Deus. Atacar a unidade entre os irmãos é maligno! Toda benignidade vem de Deus e uma expressão dela é a unidade na igreja. Isso é saúde no corpo de Cristo.

A unidade trás um bem estar. Sente-se bem com ela. Há pessoas novas que chegam em uma igreja unida e não sabem explicar bem o que sentem, mas chegam a dizer: “Puxa, aqui eu me senti muito bem, quero voltar sempre”.
Com a unidade você nem precisa dizer: “Volte sempre”, mas a própria pessoa dirá: “Voltarei sempre”.

A unidade é bem aventurada ou duplamente feliz. Cristãos unidos com Deus e com a igreja, são duplamente felizes. Há abundância de felicidade no coração do seguidor do Senhor.
A pessoa não precisa receber aumento de salário, nem ganhar na loteria, nem encher-se de álcool para estar feliz; basta que esteja em plena comunhão com Deus e com a igreja e essa dupla felicidade brotará naturalmente.

Normalmente ninguém gosta de estar ao lado de um pessoa sempre triste, mas normalmente todos gostam de estar com pessoas felizes. O mesmo se aplica para a igreja. Uma igreja feliz, não precisa “inventar” atividades para “atrair” pessoas, mas vive a plena unidade baseada na cruz de Cristo que é vertical (com Deus) e horizontal (com os irmãos) e isso vai atrair de forma natural vidas para Cristo (João 17:21).

A unidade é fértil. Uma terra bem cuidada vai produzir muito. Se cuidamos da unidade entre nós como povo de Deus, os frutos virão de maneira natural. Não precisamos forçar um pé de goiaba em produzir goiabas. Temos que oferecer uma boa e cuidada terra para essa árvore e ela por si só produzirá os frutos.
A espiritualidade, o cuidado com comentários indevidos, o buscar soluções para conflitos nos relacionamentos, são maneiras de preparar a “terra” para que a igreja possa produzir bons frutos e isso é responsabilidade de todos os cristãos.

A unidade é formosa. É lindo ver a cena de irmãos se perdoando, servindo uns aos outros em amor, lavando os pés uns dos outros, tendo em consideração uns aos outros, etc.

A unidade é o melhor. Não queremos o ruim, queremos o melhor. É melhor perdoar e unir o coração uns aos outros no Senhor do que viver com intrigas, ressentimentos ou “disse e me disse”. É muito melhor usar a madeira (cruz de Cristo) para construir uma ponte entre os corações do que usar a mesma madeira para levantar uma cerca de separação.

A unidade trás prazer. É prazeroso a unidade. Nossa alma sente prazer na união. Quando acontece algo que afeta a unidade do corpo, esse prazer se perde. O oposto do prazer é a dor. A separação trás dor, mas a unidade prazer.

A unidade prospera. Um sozinho lutando pode fracassar, mas dois, um pode ajudar o outro e juntos prosperarem. Isso é a unidade; trás prosperidade em todos os sentidos.

A unidade transborda. Na unidade não há escassez nem miséria. Deus multiplica o pão, os recursos, as bênçãos, etc.

A unidade é suave. É tão triste ações e palavras ásperas; machuca muito. A unidade em Deus e entre os irmãos tem a capacidade de tratar uns aos outros com suavidade, respeito e amor.

Concluo dizendo que a unidade é um tesouro. Descobrir essa riqueza e conservá-la é como guardar um grande tesouro. Valorize a unidade com Deus, com a igreja, com a família, no casamento, etc., como o maior tesouro que você possa ter na vida. Se é necessário se humilhe, peça perdão, comece outra vez e corra atrás do que é o mais precioso – a unidade.

“Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união! Salmos 133:1”

Quão bom é a unidade!

Nenhum comentário:

Postar um comentário