quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Amar é o grande mandamento


I) AUSÊNCIA DO AMOR

Mateus 22:34-40

34 E os fariseus, ouvindo que ele fizera emudecer os saduceus, reuniram-se no mesmo lugar.

A religião divide; Cristo une.
A religião é dente por dente; Cristo é perdão no lugar do ódio.

Os fariseus e os saduceus eram dois grupos religiosos dentro da mesma religião. Dá para entender isso?

Um grupo se achava melhor e mais certo que o outro.
Um olhava para o outro com desprezo e considerando-se superior.
Não se juntavam a não se para discutir.

A falta de amor, leva-nos à religiosidade.
Frieza, aparência, divisão, discriminação, ódio, etc.

35 E um deles, doutor da lei, interrogou-o para o experimentar, dizendo:

Se pensamos que vamos conseguir algo com Jesus, através de um espírito religioso estamos enganados.
Jesus não esta disposto a discutir “religião”; Ele veio para mostrar o amor de Deus.

Aquele doutor da lei fez perguntas para “testar” a Jesus. Pessoas religiosas estudam a Bíblia com o mesmo objetivo; querem discussões, fazem perguntas para deixar os demais constrangidos, prendem-se à letra e estão mortos na vida espiritual.

Uma pessoa religiosa estuda a Bíblia não para crescer no amor de Deus, mas para inchar a cabeça de informações que não aportam para relacionamentos saudáveis.

36 Mestre, qual é o grande mandamento na lei?

Os religiosos querem discutir “coisas grandes” e ignoram os detalhes pequenos como por exemplo dizer “eu te amo” ao próximo.

Pessoas estão presas nas 70 semanas de Daniel ou nas revelações de Apocalipse, enquanto esquecem João 3:16 e 1 João 4:7.

II) PRESENÇA DO AMOR

37 E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.
38 Este é o primeiro e grande mandamento.

Amar a Deus.
Não posso amar a Deus se não conheço o amor dele.

Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro. 1 João 4:19.

A expressão exata do amor de Deus, encontra-se na pessoa do Senhor Jesus. Se o conhecemos, conheceremos o amor de Deus (João 3:16).
Se conhecemos a Deus, então devemos entregar tudo por Ele. Afinal, Ele entregou tudo por nós.

Amar a Deus tem que ser de “todo” coração, alma e pensamento.
Normalmente não amamos com “todo” e sim com o mínimo; mas queremos o todo de Deus.
Quando amo a Deus sobre todas as coisas e com todo coração, alma e pensamento, então posso cumprir o segundo grande mandamento.

39 E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
40 Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas. 

Amar o meu próximo.
Que desafio!

Posso amar o meu próximo quando amo a mim mesmo e posso amar a mim mesmo, quando amo a Deus.

Maior que o desafio de amar a Deus que só tem feito o bem para nós; é o de amar nosso próximo.

Nesse texto descubro que o “sucesso” do meu amor ao meu próximo, depende do meu amor a mim mesmo. Não um amor egoísta, mas um amor saudável, perdoador e transparente.
Quando estou bem comigo, estarei com meu próximo.
Quando posso amar a mim mesmo, posso amar meu próximo.

Conclusão

A ausência do amor nos engessa na frieza da religião.
Só em Deus seremos suprimos de amor, pois Ele é amor (1 João 4:16).
Descobrimos esse amor através de Jesus e nele, amaremos a Deus com todo nosso ser e ao próximo como a nós mesmos.

Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.


JLS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lucas, um cristão comprometido