quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Deus ouve e vê


Gênesis 16 não enfoca o patrão, nem a patroa, mas simplesmente a empregada de um casal muito rico e que serviam a Deus.
Esse casal cometem o erro de tentar dar uma “mãozinha” para Deus cumprir Sua promessa para com eles.

A empregada era egípcia e provavelmente não tinha a revelação de quem era o Deus de Israel.
Quantas vezes os que se dizem seguidores de Deus, dão um mal testemunho ao que ainda não O conhecem?

Sarai não podia gerar filhos e tenta então usar sua empregada para a realização da promessa de Deus.
Se Deus prometeu para Abrão que lhe daria um filho, seria com sua esposa e não com a empregada.
O mais difícil para nós em uma promessa divina, é saber esperar que se cumpra. Esse casal não souberam esperar e complicaram as coisas.

A expressão “barriga de aluguel” que chegamos a conhecer, já aconteceu naquele tempo.
Sarai pede ao marido para ficar com a empregada e assim gerar um filho.
Deus não usa meios assim para cumprir Suas promessas.

A Bíblia diz que a mulher é a ajuda idônea do marido e o marido deve ouvi-la. Nesse caso, Abrão tinha que fazer como Jó que não fez caso à sua mulher quando disse para amaldiçoar seu Deus e morrer.

Como uma palavra da esposa pode mudar a história.
Se você é uma esposa, lembre-se que sua palavra tem muita influência sobre seu marido. Peça para Deus que seja uma esposa sábia onde seu lar será edificado.
Se você é o marido, procure discernir se o conselho de sua esposa é de Deus ou não.

Abrão escuta o mal conselho de sua esposa e fica com a empregada, deixando-a grávida.
Aqui começou a “dor de cabeça”. Agora a empregada despreza a patroa.

Sarai joga a culpa para Abrão e ele devolve a “batata quente” para Sarai, a qual começa a humilhar sua empregada e a mesma foge.
Que situação se armou!
O problema é que Agar fugiu com o menino na barriga.

Agar foge e para em uma fonte de água no deserto.
No meio da dor, do conflito e dos erros, o ser humano procura um pouco de “água no deserto”.
Deus viu onde ela estava e o Anjo do Senhor vai a seu encontro nesse lugar do deserto.

A situação que essa mulher estava passando, se vamos julgar com os olhos da “fria religião”, diríamos que ela também tem “culpa no cartório” e deve ser condenada.

Não encontrei palavras no texto sagrado do Anjo do Senhor acusando-a. Ela mesma já estava consciente de seus erros. 
O conselho do Anjo do Senhor, foi que ela deveria voltar para sua patroa e humilhar-se.
Deus não ignorou o erro, mas não queria que houvesse outros erros sobre o primeiro erro.

Foi dado um conselho divino para amenizar a dor e solucionar o que já era um grande problema.

E a criança no ventre? Que culpa tinha ela de toda a situação formada? Nenhuma.
Independente dos pais e da situação que rodeava o momento de seu nascimento; Deus já tinha um plano para sua vida.

O Anjo do Senhor diz que seria um menino e que seu nome seria ישׂמעאל Yishma`, Ismael que quer dizer “Deus ouvirá”.
Deus ouviu a aflição do coração de Agar e respondeu.

Agar significa “vôo”. Ela não podia “voar” por causa dos problemas que estava passando.
Deus não a queria aterrizada ou parada sem viver Seus propósitos e Ele não quer que você esteja assim também.
Ele projetou altos vôos para todos nós.

E o erro, o pecado cometido, o juízo? Houve sim, conseqüências desse erro, mas Deus ouviu a aflição.

Foi dado o nome daquele lugar com água no deserto de Laia-Roi que quer dizer "poço dAquele que Vive e me vê".

Deus ouviu e viu a dor de Agar e respondeu.

Se essa situação foi complicada, mas a graça de Deus se manifestou em Agar; o mesmo Deus está hoje ouvindo e vendo sua dor e situação independente se o erro foi seu ou de outra pessoa.

Clame a Ele, acredite que Ele está ouvindo você. Creia que Ele tem visto tudo.
Não cometa outros erros sobre os erros já cometidos. É hora de concertar as coisas, de humilhar-se, de voltar, de voar em direção ao propósito daquele que ouve e vê.

JLS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nova Turma - Curso Prumo Divino